Feeds:
Artigos
Comentários

O Governo Lula vai criar seguradora estatal para oferecer seguro de crédito aos grandes projetos de infraestrutura no Brasil que estão previstos para os próximos anos, como o da construção de um trem de alta velocidade entre São Paulo e Rio de Janeiro.

Esta boa notícia já pode ser comemorada, embora não haja ainda prazo da conclusão dos estudos.

A nova empresa deve ser bancada pelo Tesouro Nacional segundo matéria publicada no jornal Valor e, de acordo com a reportagem, a decisão política já está tomada.

A ideia é suprir uma deficiência de mercado, uma vez que não há hoje no país seguradoras de grande porte neste segmento de negócio e as empresas internacionais do ramo estão abaladas pela crise financeira mundial.

Amanhã, sexta-feira (12) às 16h30 estarei  em Londrina, no Paraná, com o presidente Lula na inauguração de um dos maiores empreendimentos da América Latina, no promissor ramo de Call Center.

A empresa, que se instala em Londrina, deve gerar 4.500 empregos diretos e possibilitar, por meio Universidade Corporativa da Dedic, capacitação e qualificação profissional a milhares de novos trabalhadores.

Há mais ou menos 20 anos não se via um empreendimento privado de igual porte na região.

Isso vai gerar mais emprego, renda e melhor justiça social para o Paraná! Vamos comemorar!

Foto arte com trânsito registrado em São Paulo, em 1972, em um dia de chuva.

“Eu quero que os pobres também tenham carros … nem se for para quando chegar no sábado, colocar o carro na porta de casa e ficar com a família inteira lavando a calota e passando a mão no carro”.

O presidente Lula arrancou aplausos e risadas com este discurso, ao comentar o recorde de produção da indústria automobilística, segunda-feira passada (8),  durante evento no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí.

Ele pede aos prefeitos e governadores para construir mais ruas: “nós temos que fazer metrô, temos que fazer o trem, mas temos que parar com essa ilusão de que fazendo metrô vai tirar o apetite de um pobre ter um carro”.

Embora eu concorde em número, gênero e grau com o Lula, não podemos ser românticos com a situação. Ilusão maior seria não ver que o metrô é a solução mais apropriada para os grandes centros.

Em São Paulo, o carro chega a ser uma catástrofe urbana.

São 6 milhões de veículos, sempre com projeção crescente da frota. A capital já pensa, inclusive, num pedágio urbano, de cerca de R$ 4 por carro.

Analistas acreditam que dinheiro arrecadado com esta ideia seria suficiente para criar, em 10 anos, 160 km de linhas de metrô a mais que o já existente.

O projeto, que já tem adesão de muitos projetistas e lideranças políticas, está sendo visto como a única forma possível para desestimular o automóvel e gerar mais dinheiro para uma implantação acelerada do metrô no maior centro econômico do País.

E em Curitiba, ainda tem gente que discute a necessidade e eficácia deste modelo de transporte. Sendo que a pergunta é: o que queremos para nossa cidade, o carro, o metrô, o pedágio urbano ou o caos dos engarrafamentos?

Segurança máxima, com assinatura digital para torcedores em eventos esportivos, com a capacidade acima de 20 mil pessoas.

Na atual situação de violência somente um código criptografado que traz a identificação e as características pessoais do torcedor, tais como voz, íris, retina e impressão digital para proteger quem torce pelo seu time e é verdadeiramente um apaixonado pelo esporte.  A medida que deve substituir os cartões de ingresso nos estágios, é uma forma diminuir a violência e incentivar o retorno das famílias aos campos. Sem falar na erradicação de cambistas de ingressos falsos, que praticam preços extorsivos.

Penso que o povo merece um pouco de paz e de alegria nos esportes e por isto estou propondo o Projeto de Lei  (nº 6908, de 2010) que acrescenta um dispositivo à Lei nº 10.671, de 15 de  maio de 2003, sobre o Estatuto de Defesa do Torcedor.

Pessoal, seremos sede da Copa do Mundo em breve, será que o nosso comportamento social merece algum título?

O metrô de Joanesburgo deve ficar pronto duas semanas antes do início da Copa de 2010.

A 94 dias do início do mundial, quando todas as atenções estarão voltadas para a África, os sul-africanos estão engajados em mostrar uma imagem positiva do país e do continente.

Eles sabem que a melhor maneira de responder ao preconceito ainda é ressaltar a união de um povo, dentro de um conceito de nação.

O país, que há 16 anos acabou com o  Apartheid, quer mostrar como mudanças são possíveis mesmo em uma sociedade duramente marcada e subjugada pela política de segregação mais nefasta que já se viu.

Há problemas. Sim! Mas a África do Sul jamais os escondeu. O transporte público é ruim, as rodovias foram ampliadas e o governo garantiu a obra do metrô – e vai cumprir – mesmo sabendo que não é suficiente para atender à demanda de transporte dos milhares de visitantes.

Para a segurança, houve um investimento de R$ 360 milhões.

Vamos ficar de olho e ter como exemplo a realização da Copa do Mundo da Fifa na África Sul 2010?

As operadoras de serviços de telefonia podem ser obrigadas a fornecer uma cópia da Constituição Federal, junto à Lista Telefônica, se um projeto de lei do deputado federal Ratinho Junior (PSC/PR) for aprovado.

O Projeto de Lei, de número 6809/10, nasceu do questionamento de uma menina de 10 anos, que queria saber “por que as pessoas não recebem a Constituição, em casa e de graça, assim como as Listas Telefônicas?”

A estudante da 5ª série do Colégio Desembargador Clotário Portugal, em Campo Largo, no Paraná, Ana Paula Gonçalves, que esteve em Brasília em fevereiro, mostrou que os políticos devem praticar a arte de ouvir os cidadãos, inclusive as crianças.

O projeto será analisado em caráter conclusivo, sem a necessidade de votação pelo Plenário da Câmara Federal. Será analisado apenas pelas Comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; e de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).

Pessoal, desculpe a falta de publicações, mas estou entretido com a reformulação e a construção de meu novo site 2.0! Aguardem! De qualquer maneira, vou continuar escrevendo aqui e lá. Grande abraço!

A combustão de combustíveis fósseis, como o petróleo, é a principal causa do efeito estufa, e que provoca todo este desequilíbrio no sistema natural da Terra.

Todos nós sabemos como se faz urgente reduzir as emissões dos gases prejudiciais à saúde e propor alternativas viáveis, como a que defendemos neste blog – sistemas alternativos de transporte, ou seja, o metrô de Curitiba.

No dia 23 de fevereiro, a Folha de São Paulo divulgou que o índice de raios ultravioletas voltou a ficar extremo em 17 capitais brasileiras.

Curitiba está entre os locais com índices mais elevados,  juntamente com Campo Grande, Salvador e Vitória, numa escala situada entre os 12 pontos. Ou seja, extrema.   Os locais com índices ainda mais elevados por volta das 11h de hoje (23)  eram Aracaju, Belém, Boa Vista, Fortaleza, João Pessoa, Macapá, Maceió, Natal, Palmas, Recife e Teresina, com índice 14.   Os dados são da Somar Meteorologia, que registrou o fenômeno em 17 capitais brasileiras, obtendo variações de entre 11 e 14, numa escala cujo máximo corresponde a 14.  De acordo com a escala, índices de 1 a 2 são considerados baixos; de três a cinco são apontados como moderados; seis e sete são altos; já entre oito e dez são considerados muito alto; enquanto os superiores a dez são apontados como extremos.

Na reportagem, a médica Selma Cernea, coordenadora da Campanha de Prevenção ao Câncer de Pele, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, disse que o alto índice registrado de raios UV aumenta o risco de danos à pele, que podem variar de uma vermelhidão até o aparecimento de manchas, envelhecimento e câncer de pele, se a exposição for feita por tempo prolongado, regularmente.

Vamos divulgar esta notícia, para que saibamos os riscos do efeito estufa na nossa cidade.